Pular para o conteúdo principal

OPERAÇÃO FOR ALL INVESTIGA FRAUDES E SONEGAÇÃO DO BREGA-POPULARESCO


A chamada "música popular demais" pode estar chegando ao fim de uma era.

É a era em que o jabaculê ameaçava impor sua supremacia absoluta na cultura popular brasileira, condenando nosso rico patrimônio cultural, sobretudo musical, a apodrecer guardado em museus mal-conservados.

A Polícia Federal deflagrou uma operação que investiga fraudes no Imposto de Renda e outras irregularidades, que ganhou o apelido de Operação For All, com base na expressão em inglês que inspirou o termo "forró".

A medida, que a princípio se dirige a investigar fraudes cometidas pela empresa responsável pelo conjunto Aviões do Forró, pretende seguir não só o "forró eletrônico", mas outros estilos musicais.

Os Aviões do Forró e outros três conjuntos, estão sendo investigados na atual etapa. Os cantores dos Aviões, Xand e Solange Almeida, foram convocados para depor.

O grupo é acusado de prestar informações falsas ou omitir informações importantes nas declarações do Imposto de Renda.

Muitas irregularidades tendem a ser investigadas.

Já existem também investigações sobre a "máfia dos shows" que envolve possíveis esquemas de propinas em festivais musicais do interior do país ou de capitais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Embora certos midiotas, seguindo a orientação trazida há anos pela intelectualidade "bacana", associem erroneamente a operação a uma "perseguição jurídico-midiática" a um "fenômeno popular" como os Aviões, a medida tem um caráter diferente.

Não se trata de Sérgio Moro perseguindo os integrantes do Partido dos Trabalhadores.

É uma operação que investiga supostos artistas populares que sempre estavam associados ao coronelismo midiático e lúdico do interior do país.

Gente comprovadamente rica, e que faz arrivismo atingindo o sucesso popular através do jabaculê.

De forma coerente, descreve, a respeito desse esquema, o jornalista e colunista do UOL, Ricardo Feltrin:

"Nesta terça, a banda Aviões do Forró é um dos alvos da operação. Mas ela é só o peixinho pequeno. É controlada por só um dos grupos dentro do "establishment" que controla a música comercial no país.

Quase todos os artistas do chamado "topo" comercial estão nas mãos de menos de 10 empresários em todo o Brasil, que dividiram o país em seus feudos. Qualquer artista famoso que quiser ser contratado para grandes eventos tem de passar por eles, como a um pedágio. Isso vale tanto para shows públicos como em casas noturnas e ou privadas".

Isso explica por que, por exemplo, músicos de MPB e Rock Brasil tiveram uma fase em que estavam complacentes com o brega-popularesco, a ponto de até gravarem duetos com os milionários "ídolos populares".

É para obter uma inclusão na lista de atrações de um grande festival no interior do país.

Daí que membros dos Paralamas do Sucesso mais Dado Villa-Lobos foram tocar com Chimbinha, nos tempos da Banda Calypso.

Ou Nando Reis também tocando Chimbinha e sua ex, Joelma, ou cantando com Zezé di Camargo.

Ou Titãs tocando com Mr. Catra, Tiê gravando música do Calcinha Preta, Geraldo Azevedo cantando com Ivete Sangalo, emepebistas gravando Michael Sullivan.

Esses duetos davam a impressão de que era a MPB e o Rock Brasil que promoviam "inclusão social" ao acolher os bregas, tão "pobrezinhos".

Errado. Os "pobrezinhos" eram, na verdade, a MPB e o Rock Brasil que faziam duetos ou gravavam sucessos bregas, porque os ricos e poderosos são os tais "ídolos populares".

A chamada "música popular demais", embora seja "genuinamente associada" às classes populares, sempre tratou o pobre de maneira caricatural.

Era uma visão que insistia em ser vendida como sendo "combate ao preconceito", mas já apresentava uma imagem preconceituosa das classes pobres. "Romper o preconceito", diante dessa falácia, significava aceitar tudo isso de bandeja, como se fosse o destino do pobre ser imbecilizado.

Além disso, a pecha de "discriminado pela grande mídia" é muito falsa, um discurso construído apenas nos últimos 15 anos pela intelectualidade badalada pela opinião pública, a "intelectualidade bacana".

Este setor da intelectualidade, que reúne cineastas, antropólogos, jornalistas culturais e outros profissionais, dava até um discurso pseudo-ativista aos sucessos comerciais do "povão", tocados nas rádios e exibidos nas TVs.

Só que esses "sucessos do povão" sempre tiveram o apoio do coronelismo midiático.

Latifundiários chegaram a patrocinar ídolos cafonas, no passado, para tentarem carreira em São Paulo.

A farra de concessões de rádio e TV comandada por José Sarney e Antônio Carlos Magalhães desenhou o que hoje é a dita "cultura das periferias".

Que estabeleceu paradigmas grotescos, piegas e outros aspectos caricaturais, criando um "povo pobre" de traços ridículos, personalidade resignada, talento medíocre e instinto arrivista.

Foi através de Sarney e ACM, e, mais tarde, Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso, que os ritmos brega-popularescos cresceram.

Empresas de entretenimento eram formadas, estilos musicais eram montados como se fosse uma fórmula ou estrutura de algum produto industrial destinado a ser mercadoria para consumo.

Portanto, estilos como "forró eletrônico", "pagode romântico", axé-music, "funk carioca" e "sertanejo" eram, na verdade, concepções de mercadorias musicais e comportamentais.

Há muito o que investigar, porque as empresas sempre pensaram em lucro, com a mesma ganância de grandes corporações sediadas em São Paulo.

Mesmo pequenas gravadoras do Norte e Nordeste, erroneamente definidas como "independentes" (elas eram até sustentadas pelo coronelismo midiático), tinham uma lógica mercantil tão ou mais voraz,quanto a de uma grande gravadora estadunidense sediada em Los Angeles.

Uma profusão de "conjuntos com donos", liderados por empresários, que trocam vocalistas a cada período, surgiu, a exemplo de intérpretes parecidos uns aos outros.

Composições eram feitas em mesas de negócios ou acertadas como se fosse uma mercadoria oferecida pelo "compositor-fornecedor".

Recentemente, até o "sertanejo universitário", falsa esperança de sofisticação do "popular demais", se prendeu na fórmula da dupla de um vocalista fanho e outro esganiçado.

Os "sucessos do povão" escondiam um capitalismo tão selvagem quanto o que faz os corações da mídia venal baterem mais forte.

Grupos como Aviões do Forró, É O Tchan, ou intérpretes como Zezé di Camargo & Luciano e Tati Quebra-Barraco, só para citar alguns, nunca causaram pavor aos barões da grande mídia.

Pelo contrário. O baronato midiático achava ótimo haver ídolos assim, que distraíam o "povão" e o impedia de participar dos debates públicos esquerdistas, que eram isolados entre sindicalistas, ativistas comunitários e blogueiros alternativos.

A intelectualidade "bacana" queria forçar o vínculo esquerdista do brega-popularesco, mas apesar do discurso ambicioso, esse vínculo sempre foi falso.

Mas também os próprios intelectuais dessa espécie fazem o trabalho "frila" do baronato midiático.

Os "bons esquerdistas" Pedro Alexandre Sanches e Eduardo Nunomura fazem coberturas de eventos patrocinados pelo governo paulista de Geraldo Alckmin.

O supostamente revolucionário "funk carioca" tem Luciano Huck como divulgador em âmbito nacional e sua base política de apoio se situa na ala pró-tucana do PMDB carioca.

A Operação For All, portanto, não tem a ver com Lava-Jato. Ela investigará, a sério, todo o esquema de corrupção associado a um pseudo-popular que movimentava milhões com o apoio explícito da grande mídia e do latifúndio.

Ricardo Feltrin dá uma senha sobre o que virá por aí:

"Para os especialistas da Receita, nos últimos meses surgiu o desenho de um grande esquema de corrupção, que promove lavagem e sonegação por meio da música popular brasileira.

A investigação da operação For All hoje ataca os coniventes com a sonegação. Afinal, se há empresários desonestos que querem driblar o Fisco, antes de mais nada há artistas dispostos a trocar sua suposta arte pela mania de levar vantagem em tudo. É o famoso jeitinho brasileiro".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

LUCIANO HUCK, QUE "NÃO DESEJA" CONQUISTAR A REPÚBLICA, PEDE AO IBOPE MANTER SONDAGEM SOBRE SI

Aparentemente, o apresentador Luciano Huck não pretende ser presidente da República.
O marido de Angélica Ksyvickis garante que já está muito satisfeito com o trabalho que exerce na televisão.
Ele também diz que está muito satisfeito com a colaboração indireta que dá aos projetos RenovaBR e Agora!, grupo de "centro" empenhado em "mudar o Brasil".
Segundo o Painel, da Folha de São Paulo, Luciano Huck se encontrou, em dezembro passado, com o presidente do IBOPE, Carlos Augusto Montenegro.
Na pauta, o apresentador do Caldeirão do Huck pediu para que Montenegro mantivesse o nome dele para as pesquisas de intenção de votos do instituto.
Montenegro aceitou manter o nome de Huck nas sondagens, mas adiantou que o prazo vai até abril, quando o apresentador terá que estar filiado a um partido para concorrer ao cobiçado cargo político.
Huck é um dos símbolos do Brasil de 2016, reacionário e conservador, que pretende eleger seu presidente da República em 2018.
Até agora o son…

VENDA DA EMBRAER É UM VOO INTERROMPIDO DA SOBERANIA NACIONAL

OS "SIMPÁTICOS BUSÓLOGOS" ORVILLE E WILBUR WRIGHT, QUE OS ESTADUNIDENSES ACREDITAM SEREM OS PAIS DA AVIAÇÃO.

Ontem foi anunciada a proposta de venda da Embraer para a empresa estadunidense Boeing.

É mais um artigo do feirão de patrimônios nacionais que Michel Temer anda vendendo para "combater a crise" e "enxugar o Estado brasileiro".

O petróleo está sendo vendido a varejo, a preço de banana, e perdemos algumas reservas de pré-sal para os gringos.

A norueguesa Statoil tornou-se a terceira maior petroleira em operação no Brasil, por causa das aquisições de áreas por cortesia do temeroso presidente.

Pausa para prantos e ranger de dentes: Statoil é estatal, naquele desenvolvido país europeu.

Aqui querem privatizar a Petrobras, mas, por enquanto, não abrem o jogo nem dizem se alguma atitude neste sentido está em plano.

Por enquanto, vão privatizar a Eletrobras, fazendo com que as regiões mais interioranas do país permaneçam no tempo do lampião a gás e no fogã…

A SUSPENSÃO DE POSSE DE CRISTIANE BRASIL E A PEC CONTRA A REGRA DE OURO

Dois fatos políticos nos últimos dias, relacionados ao tenebroso governo temeroso.

Um é o plano de Michel Temer criar uma PEC para aliviar as restrições da regra de ouro, para evitar que ele e seu sucessor sejam acusados de crime de responsabilidade.

A regra de ouro é uma norma na qual o governo é proibido de emitir dívidas com volume maior de investimentos.

Em outras palavras, o governo não pode contrair dívidas para pagar despesas correntes e deixar o ônus para governos posteriores.

A PEC é de autoria de Pedro Paulo Carvalho, do MDB carioca, o mesmo que tentou ser candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, na chapa apoiada por Eduardo Paes, de quem foi secretário.

Com a PEC, o governante que contrair dívida terá suspensa sua condenação por crime de responsabilidade, até que arrume um jeitinho para endireitar as coisas.

É uma espécie de jeitinho brasileiro para evitar condenação. O governante tem tempo de desfazer a burrada e, pronto, fica com o nome limpinho na praça.

A proposta rep…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COM MARCELO FREIXO, PSOL PARECE DESEMBARCAR DO ESQUERDISMO

Causou polêmica a declaração do deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, na mais recente entrevista dada à Folha de São Paulo.

Ele disse que não sabe se hoje é "momento de união das esquerdas" em torno de Lula.

Freixo acredita que as esquerdas "pararam em 2013" e busca algo que, na aparência, soa novo.

Como um partido de classe média, o PSOL não parece profundamente inclinado às causas das classes trabalhadoras, com exceção dos sem-teto.

Aqui há que se convir da figura, até agora admirável, do líder do MTST, Guilherme Boulos, provável candidato pelo PSOL à Presidência da República.

Descontando este aspecto, o PSOL adotou posturas bastante estranhas.

Chico Alencar apareceu num evento em homenagem a Aécio Neves, teria se solidarizado com ele, e depois tentou desmentir a sua atitude.

O próprio Marcelo Freixo estava apoiando os trabalhos do xará Marcelo Bretas, o "Sérgio Moro" carioca.

E, se o PSOL não acredita nas alianças das esquerdas, visando o fortale…

PT PROCESSA REDE GLOBO E LUCIANO HUCK POR ABUSO DO PODER ECONÔMICO

O DIVÃ, QUADRO DO DOMINGÃO DO FAUSTÃO, APARENTEMENTE FOCALIZOU O AMOR DE ANGÉLICA E LUCIANO HUCK, MAS INDICOU PROPAGANDA POLÍTICA SUBLIMINAR E ILEGAL.

O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta e o senador fluminense Lindbergh Farias, ambos do PT, entraram com uma representação contra a Rede Globo e os apresentadores Fausto Silva e Luciano Huck.

A representação acusa o programa Domingão do Faustão e a referida emissora de abuso do poder econômico, se aproveitando de tal vantagem para propaganda política subliminar.

O incidente em questão foi o quadro Divã do Faustão, que entrevistou o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica Ksyvickis, contratados da Globo.

Aparentemente, o programa focalizava a relação amorosa do casal, até que algumas perguntas dadas a Luciano Huck sinalizaram possível propaganda eleitoral antecipada.

À primeira vista, Huck negou que queira ser candidato à Presidência da República, afirmando que está satisfeito com a atual condição de apresentador de TV.

"N…

RISCO BRASIL, MICHEL TEMER E O PREÇO DOS RETROCESSOS DE 2016-2017

OS REIS DA QUEBRADEIRA.

A Standard & Poor, agência estadunidense que mede a classificação de risco de cada país na Economia, rebaixou a nota do Brasil de BB para BB-.

A avaliação, com base na relação entre a conduta do governo de cada país com as condições oferecidas para os investidores, pode dar mais ênfase aos interesses do mercado.

Mesmo assim, a queda de conceito do Brasil mostra que nem o mercado está gostando do governo Michel Temer e seu braço-direito econômico, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

É claro que tais agências não são as melhores para avaliar as condições de nosso país. Sua preocupação social é mínima, na melhor das hipóteses.

Além disso, as agências são simpáticas às reformas impopulares de Temer, mas admitem que o desgoverno foi longe demais.

Temer, com suas "gorjetas" para obter apoios aqui e ali diante de denúncias de corrupção, simplesmente quebrou o país.

Ele se gabava de defender restrições nos gastos governamentais, mas para defender se…

PENHORA DO TRIPLEX DO GUARUJÁ FAZ DO JULGAMENTO DE LULA UMA FARSA

A duas semanas do julgamento do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva , um fato simplesmente deixa as motivações desse evento em situação ridícula.

A juíza Luciana Corrêa Tôrres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, decidiu penhorar o triplex do Guarujá, o edifício Solaris, alvo da Operação Lava Jato.

Sabe-se que Lula foi condenado, sem provas, de ter recebido da empreiteira OAS o triplex do Guarujá, que ainda responde, segundo a juíza, como proprietária do imóvel.

A condenação se deu em primeira instância por iniciativa de Sérgio Moro.

O julgamento poderá corroborar a condenação, e se isso ocorrer, será em segunda instância.

Mas a juíza do Distrito Federal complicou a situação dos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, de Porto Alegre, que conduzirão o julgamento.

A OAS foi determinada a penhorar quatro propriedades para pagamento de dívidas. Uma delas é o triplex atribuído a Lula.

A penhora confirmou que Lula não é dono do triplex,…

A FALTA DE DISTINÇÃO ENTRE O COMERCIAL E NÃO-COMERCIAL NA MÚSICA BRASILEIRA

Atualmente, as gerações atuais ouvem a chamada "música de sucesso" sem ter ideia do comercialismo que isso significa.

Infelizmente, a MPB agoniza, perdida em eternas auto-homenagens, enquanto novos artistas até existem, mas eles se tornam reféns das trilhas de novelas de TV ou de reality shows musicais.

Há uma série de nomes novos que pede que selecionemos o joio do trigo.

Emepebistas esforçados que se escondem no turbilhão de sub-artistas de reality shows e ídolos da música brega-popularesca que surgem aos montes por aí.

Uma grata surpresa será Isabela Silvino, que seguirá à sua maneira a linhagem do pai, o já saudoso Paulo Silvino, e o avô, Silvino Neto, nas boas contribuições musicais.

Mas, fora essa novidade, há tantos nomes que não se sabe sumirão pelo vento do tempo.

Mas, descontado tudo isso, se observa o mainstream do brega-popularesco que agora consagrou a hegemonia quase totalitária do pop comercial à brasileira.

Os nomes do momento: Anitta, Ludmilla, Marília Mend…